1° Seminário sobre a Política Municipal de Inclusão Digital 

 
Aconteceu na última sexta feira (21/8/2015) o Seminário sobre a Política Municipal de Inclusão Digital, promovido pela Coordenadoria de Conectividade e Convergência Digital, parte da Secretaria de Serviços da Cidade de São Paulo, com o intuito de debater atualizações para a Lei Municipal nº 14.668/2008 que institui a política de inclusão digital no município. A lei trata exclusivamente da criação de centros de democratização da rede mundial de computadores, os Telecentros. Atualmente a cidade já conta com mais de cem Telecentros, também mais de cem praças com acesso a Wi-Fi Livre e se prepara para receber 12 Laboratórios de Fabricação Digital, sendo necessária a atualização da lei.

A mesa foi comandada pelo Coordenador João Cassino, entre apresentações e debates passaram por ela o Secretário Municipal de Serviços Simão Pedro, a Vereadora Juliana Cardoso, o Vereador Police Neto, Drica Guzzi representante do Acessa São Paulo, Ciro Berdeman representando a presidência da SPTrans e o projeto MobiLab, Edgard Piccino representando a prefeitura de Bragança Paulista, Everton Zanella, do Open Knowledge, Livia Ascava, do LabHacker, Wildner Sanches, do Coletivo Digital e Izabel Valverde, do Open Suse. Apesar do evento ser aberto o público maior era de Agentes de Inclusão Digital da Prefeitura, os colaboradores dos Telecentros e convidados de outras secretarias.

Foi muito ressaltada durante o evento a importância dos atuais Telecentros como espaços de inclusão não só digital mas também social, porém considerada em vários momentos a necessidade de maior investimento em capacitação para que os Agentes de Inclusão Digital possam desenvolver um trabalho mais produtivo com esses usuários. Para isso foram comentados projetos em andamento na Coordenadoria, como a parceria com o programa Pronatec. Um dos focos principais, citado por quase todos os participantes das mesas, foi a produção da cultura digital que relacionada a uma nova política de inclusão digital na cidade de São Paulo pode ser abordada de incontáveis modos. Trata-se do uso da internet como meio para a produção de conhecimento e não como fim, ir além da preocupação básica com estrutura tecnológica e dar a real importância a abertura de horizontes provocada pelo encontro com a tecnologia. Democratizar a internet ensinando as pessoas a produzir conteúdo de qualidade, a se apropriarem dos ideias dos softwares livres, incentivando o trabalho social de pequenos coletivos como no Edital Redes e Ruas e explicando aos usuários o impacto que ações como essa produzem no meio político e econômico reais, para além das redes sociais. O foco agora é inclusão sociodigital.

O seminário também foi palco da assinatura do convênio para a montagem e ativação da Rede de Laboratórios de Fabricação Digital, os queridos FabLabs. O projeto trata de instalações de laboratórios com máquinas de corte a laser, impressoras 3d e outros aparelhos de última geração que além de promover cursos para que qualquer pessoa possa utilizar as máquinas também irá trabalhar com os alunos em projetos que beneficiem a comunidade onde está inserida. Os doze laboratórios estarão a princípio localizados em pontos estratégico da cidade, contemplando centro e periferia e tendem a se expandir. A empresa ITS Brasil, selecionada através de edital ficará responsável por questões de gestão e aplicação do conceito pedagógico, enquanto cabe à prefeitura disponibilizar os espaços e o maquinário.

Quanto a atualização da lei o projeto ainda será escrito baseando principalmente os tópicos levantados no seminário, depois seguirá seu processo burocrático por gabinetes, votação na Câmara dos Vereadores e segue para sanção do Prefeito Fernando Haddad. Se você perdeu o Seminário perdeu um ótimo evento, instrutivo e divertido, mas ainda pode colaborar com sugestões através do site http://debateinclusaodigital.com.br até o dia 21 de setembro. Por fim gostaria de parabenizar a linda quepe da CCCD pela realização do evento, tenho muito orgulho em fazer parte desse time que batalha com todas as forças para que a inclusão sociodigital seja mais que um sonho na cidade de São Paulo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Crucificação das Pessoas Trans


foto disponivel no Facebook da atriz

Durante a parada LGBT 2015 de São Paulo a linda atriz transsexual Viviany Beleboni encenou uma crucificação. Na época a situação gerou bastante polêmica, os religiosos atacaram considerando o ato um “desrespeito” a sua fé, vi milhares de pessoas criticando a situação como algo grotesco e pornografico. Eu estava lá porque adoro a festa e digo que Viviany estava linda, divando e mandando uma mensagem social fortíssima. Na época eu já defendi a encenação pois entendo que os transsexuais e homossexuais são crucificados todos os dias pelos pré-conceitos heteronormativos e pela “moral” religiosa. Se a história bíblica conta a crucificação de Jesus como um ato heroico, onde ele teria dado sua vida para proteger seus iguais, não entendo a diferença do ato realizado na Parada. O que eu vi na situação foi uma mulher se crucificando heroicamente, expondo sua intimidade, identidade e corpo para defender a vida de seus iguais, afinal o Brasil é o país que mais mata gays, lésbicas, travestis e transsexuais no mundo. Apenas em 2012 44% dos assassinatos por homofobia e transfobia do mundo aconteceram no Brasil. O número é assustador, mas seria ainda mais se todos os crimes fossem registrados corretamente, a polícia que deveria oferecer segurança a todos, sem distinção de raça, cor, gênero ou sexo, é um grande obstáculo. Além do registro desse tipo de homicídio ocorrer como homicídio comum sempre que possível, dificultando muito a obtenção de dados para análise, também existe a continuação da violência para aquela que foi violentada e sobreviveu. Os relatos de pessoas que procuraram a polícia costumam vir com tratamento pelo gênero de nascimento não pelo gênero de identificação, violência física e verbal, humilhação e culpabilização da vítima. É óbvio o que leva as pessoas que sofreram violência a fugirem da polícia, o medo de intensificação dessa violência.  

Aqui no centro de São Paulo eu tenho a sorte de conviver um pouco com essas mulheres tão especiais, falo mulheres por que realmente tenho mais contato com mulheres trans do que com homens trans, fazemos compras no mesmo mercado, frequentamos a mesma farmácia, nos cruzamos o tempo todo na rua e eu faço questão de puxar um assunto sempre que possível ou só expressar para elas o meu mais sincero sorriso de sororidade. Infelizmente também vejo de perto a violência com elas, como grande parte das pessoas olha torto, desvia, aponta e discrimina, cansei de ver que até aquelas que se submetem a prostituição são tratadas de forma diferente das garotas de programa cisgenero. As profissionais do sexo Cis entram nos carros de seus clientes, são exibidas pelos seus clientes e eles conversam e negociam valores abertamente, nota-se que os clientes não se incomodam de serem vistos com elas, agora, quanto as profissionais do sexo Trans a história é bem diferente, o contato com o cliente costuma ser distante, uma troca de olhares e sorrisos disfarçada, amedrontada, quando contratadas costumam andar a frente ou atrás de seus clientes, nunca lado a lado, já cheguei a ver clientes que combinam o local com a profissional e fazem caminhos diferentes. Tenho vontade de abraçá-las, levar para casa e dizer amiga, você não está sozinha, tenha orgulho de quem você é! 

Viviany não foi a primeira a usar imagens bíblicas como forma de protesto contra a violência oriunda dessa tal “moral” religiosa, outros artistas já fizeram coisas parecidas e os publicitários fazem bem mais, usam imagens bíblicas para vender qualquer coisa, afinal, ganhar dinheiro usando a fé das pessoas não é pecado, usar a imagem bíblica para lutar por justiça, respeito e vida, é pecado. É sério isso? Sim, infelizmente é muito sério. Tão sério que no último final de semana a atriz foi reconhecida próximo de sua casa e sofreu um atentado, foi atacada por alguém que portando uma faca dizia agir em nome de Deus, que Viviany pagaria pelo que fez. Por sorte Viviany conseguiu se desvencilhar do agressor e fugir, logo depois veio a público por sua página no facebook mostrando os hematomas e cortes que sofreu e dizendo que não iria a polícia para não sofrer mais violência, que iria se esconder em casa. 

Eu fico aqui me perguntando, quantas vezes Viviany foi crucificada? Se crucificou em seu ato, na Parada, na sequência foi crucificada por muitos, a ponto de precisar abrir um processo por danos morais contra o Pastor Marco Feliciano, e agora crucificada literalmente, agredida por ser ela mesma. Poderiam ser só essas crucificações, mas mesmo sem conhecer a história pessoal dessa moça que para mim é uma verdadeira heroína, acredito que tenham sido muitas mais as crucificações. 

Essa nota é uma nota de repudio a violência sofrida por Viviany e por todas as outras mulheres Trans, mulheres Cis e a comunidade LGBT, é uma nota de desabafo, de tristeza mas também de força. Essa nota, antes de qualquer coisa é um abraço para Viviany, uma declaração de apoio e de esperança para que ela não desista, não se cale e exiba por aí sua arte e seus protestos. Viviany, você é linda, talentosa e merece ser muito feliz. 

Escarlatina – Procurando bem, todo mundo tem….

  

Era um lindo final de semana de folga na praia, tudo tranquilo até sermos arrebatados por uma febre do Bernardo. Com um breve exame mãe-clínico constatei que o problema estava na garganta, um dia antes de viajarmos já havia percebido um pouco de vermelhidão forte na garganta, por isso mesmo mantive ele de camiseta na praia e nem fomos mergulhar, mesmo estando um sol lindo. Em menos de 24 horas a pequena vermelhidão se tornou grande e com bolhas brancas de infecção. Levei para casa, dei banho e antitérmico e enquanto ele dormia sob os cuidados do vovô, eu e vovó fomos à farmácia procurar antiinflamatório e mais antitérmico. Não, não sou a favor de medicar criança aleatoriamente, apenas dei os remédios que são normalmente indicados para início de inflamação na garganta pelos pediatras que ele já frequentou, nas mesmas dosagens. A febre cedeu, ele brincou a tarde toda mas ficamos em casa mesmo. Aquela noite foi de sono tranquilo, o Be acordou uma vez só para usar o banheiro (que mocinho!!). O dia seguinte amanheceu com chuva, deixando o Bê extremamente chateado, mesmo ele estando bem só conseguimos sair para uma caminhada na praia no fim da tarde e bem agasalhados. Naquela noite aconteceu a festa junina da praia em família, como a rua tem várias casas de familiares montamos fogueira e comes e bebes na rua mesmo e fazemos a maior festa, porém esse ano o Be se recusou a sair de casa, mesmo todo arrumadinho de caipira ele preferiu ficar brincando na sala, nós nos revezávamos para ficar com ele e aproveitar a festa, também não queria comer nada, apenas um bolo de morango o conquistou. 

A febre voltou, já tinha dado o horário então dei o antitérmico novamente, a febre abaixou e coloquei na cama, quando fui colocar o pijama percebi que ele estava muito vermelho, na virilha, no peito e nas costas, mas achei que fosse da febre e como estava baixando, iria passar. Como todos já estavam em casa e o Be dormindo, aproveitei para relaxar no silêncio lá fora um pouco com meu amor, mas não durou muito, logo recebi uma mensagem de que o Be tinha acordado novamente e eu corri para o que seria uma das noites mais angustiantes que passei com ele. A febre voltou com tudo e chegou a 38,7, ele delirava, se coçava todo, cada vez mais vermelho e eu em pânico, para não acordar ele e a casa inteira, eu e meu super companheiro que se mostra cada dia mais incrível em me apoiar e cuidar do Bê, optamos por não dar banho mas usamos panos molhados e muito carinho. Enquanto fazíamos isso procurei pelo plano de saúde algum local de atendimento 24 horas, nada, para correr ao médico eu teria que acordar meu país e subir a serra de madrugada e no desespero, mesmo minha mãe sendo a melhor motorista do mundo não achei que era uma boa ideia, mas era o que eu faria se a febre passasse de 39°. Medi a febre novamente e ela baixava muito lentamente, mas seguimos com paninhos. Confesso que nunca senti tanto medo, eu sabia que existia a chance de ele convulsionar e que eu não podia deixar isso acontecer, mas se acontecesse eu também não saberia o que fazer. Mas não aconteceu, mesmo lentamente a febre baixou para 37,5° lá pelas 4 da manhã, eu e Guá, exaustos e aliviados conseguimos cochilar um pouco. 

O Sol de domingo de manhã chamava para a praia, mas mesmo com o coração apertado por não saber quando vou tirar folga novamente convenci a todos para voltarmos ainda de manhã para São Paulo. O Be acordou de bom humor, porém com muita coceira e a vermelhidão havia se transformado em milhares de bolinhas pequenas, vermelhas e ásperas. Tomamos café, demos uma geral na casa e viemos de volta para a cidade grande, minha mãe nos deixou na porta do hospital infantil Sabará ainda era meio dia.

 Eu já tinha me preparado psicologicamente para ficar lá horas e horas, mas para a nossa surpresa foi tudo muito rápido. Entramos e ainda na sala de pré-atendimento as enfermeiras já deram prioridade “mãe, isso deve estar coçando muito, vou colocar como emergência” e subimos rapidamente para a sala de espera da pediatra, nem cinco minutos para o Be pintar o desenho, para a minha sorte ele estava de ótimo humor, e a médica já chamou. Indiquei a ela os sintomas, vermelhidão, coceira, febre alta, bolinhas, falta de apetite, ela examinou e rapidamente já teve certeza “é escarlatina” exclamou e eu no auge da minha ignorância sobre patologias fiz “hein? O que é isso?”. Então a pediatra me explicou que é uma das doenças consideradas infantis, como catapora, roséola, sarampo e etc, ela tem duas possibilidades para infectar a criança, é contagiosa até o início da medicação, ou pode aparecer como evolução da infecção de garganta. É uma infecção forte na garganta, que atinge a pele da criança com esse aspecto áspero, também incha um pouco a língua deixando as papilas ressaltadas. Não é uma doença grave porém ela tem facilidade em evoluir caso o tratamento não seja correto, pode virar pneumonia, meningite, febre reumática e outras doenças. 

A pediatra explicou que por ser uma doença bem característica e pelo Be apresentar todos os sintomas e nada além, não seria necessário o exame sanguíneo, a não ser que eu fizesse questão. Não fiz, se é desnecessário acho desnecessário também ficar mais uma hora lá expondo meu filhote já debilitado a outros problemas hospitalares. O tratamento indicado foi antiinflamatório, antialérgico e antibiótico, com a receita em mãos voltamos para casa. ‘Paidrasto’ saiu para comprar os remédios e passamos o resto do dia mimando o baixinho, ganhei folga do trabalho segunda e terça para cuidar dele também. Logo que iniciamos o tratamento os sintomas começaram a desaparecer, a febre foi a primeira a sumir, para nossa alegria, logo sumiu a vermelhidão, a garganta foi melhorando, as bolinhas diminuindo bem lentamente e amanhã acabam os 10 dias de tratamento. Nosso baixinho já está ótimo! 

O melhor amigo do Bernardo, com quem ele convive na escola, também teve o mesmo diagnóstico alguns dias depois, então acreditamos que tenha sido contagio mesmo, faz parte! Alertei as outras mães com quem tenho contato e também a direção da escola, acho importante até porque ano passado a escola inteira pegou catapora, que não seja assim com a escarlatina. 

Quando saímos do hospital o Be me perguntou se ele tinha a doença de bailarino, igual a música que ele dança no ballet. Saímos de lá cantarolando e a trilha sonora da nossa semana foi “Ciranda da Bailarina” de Chico Buarque. 🙂 

“Não livra ninguém,
Todo mundo tem remela,
Quando acorda às seis da matina.
Teve escarlatina, ou tem febre amarela,
Só a bailarina que não tem…”