Feminista sim senhora!

2015/01/img_0720.png

O feminismo é um sentimento que nasceu comigo mas que me trouxe muitos conflitos internos antes de eu realmente me dedicar a estudar e entender sobre ele. Sempre tive a sensação de que havia algo errado em uma sociedade onde as mulheres mostram obediência aos homem sobre assuntos em que elas são as protagonistas. Nunca entendi a idéia de preservar o corpo, se esconder e ao mesmo tempo manter um padrão de beleza físico. A quem interessam essas regras? Não as mulheres. Nunca entendi por que as mulheres da minha família aceitavam humilhações, traições e desprezo em nome da aparência do casamento. Fui tratada como louca, como rebelde, adoravam dizer que “eu nunca iria conseguir um homem” como se isso fosse o ápice da vida de uma mulher. Na adolescência ser tratada como louca e a esquisita não faz bem pra ninguém, entendi que o problema era eu e tinha que me adaptar. Na mesma fase veio o primeiro namoro sério, minha primeira experiência direta com o machismo. A pressão para perder a virgindade, para estar bonita, cheguei a achar que o fim do mundo seria perdê-lo, mas ele nunca mostrou medo de me perder. Ele desfilava pela escola com a “melhor amiga” loira, magra e alta. Eu, gordinha, baixinha que não era nenhuma expert em truques de beleza resolvi virar o jogo. Embarquei em uma bulimia que evoluiu para anorexia, renovei meu guarda roupa com coisas da moda, justas e sexy. Aprendi a me maquiar, emagreci mais do que deveria, me fiz objeto de desejo da escola inteira, eles queriam estar comigo e elas queriam ser iguais a mim. Agora quem fazia bulling era eu. Até que de repente o machismo se inverteu e me atacou novamente, agora eu era a puta pelas roupas que usava, os caras achavam que poderiam fazer as piadas que bem intendessem em relação a mim e ouvia “você decidiu ficar assim, bonita, agora tem que aturar as consequências”. E o problema continuava sendo eu, que cada vez mais magra cheguei a tentar suicídio, queria desistir do mundo. No meio do sonho da carreira de atriz, pela qual eu me dediquei alguns anos na adolescência entendi que o papel principal é sempre de quem dorme com o diretor, ou faz ele pensar que isso irá acontecer. Os meus papéis eram sempre de “Lolita”, esbanjando apelo sexual. Tive alguns namorados, incrivelmente um mais machista que o outro e eu tentando me ajustar. Aos 17 veio a gravidez, eu por alguns instantes acreditei que estava caminhando para o mesmo destino da maioria das mulheres, casar, viver para cuidar da casa, do filho, do marido. Desisti de mim. Porém no final da gestação eu já entendia que não daria para ser assim, o meu então namorado com quem eu morava começou a ser pior do que eu poderia imaginar em uma mistura de falta de caráter, machismo e drogas sintéticas. Eu ficava presa, não podia falar para ninguém oque se passava enquanto ele se drogava dentro de casa durante minha gestação, fui afastada dos meus amigos e convencida de que essa era a única opção que eu tinha. No meio desse loucura fui convencida pelo GO que eu não seria capaz de parir, era muito nova, muito pequena, ele inventou milhões de desculpas e eu sai de lá me sentindo o pior ser humano, incapaz de dar a luz ao meu filho. Me fizeram uma cesárea desnecessária e ainda tentaram me convencer que eu não conseguiria amamentar.
E antes que a violência doméstica se tornasse física meu filho nasceu, nasceu com ele uma leoa dentro de mim. Essa veio cheia de dúvidas e revoltas mas me trouxe coragem e curiosidade para entender a situação que eu vivia.
Criei coragem e gritei pro mundo que sim, eu dou conta de criar meu filho sozinha! Me separei, ouvi todos os absurdos possíveis. 18 anos, um bebê no colo e muita coragem, era tudo que eu tinha. O apoio dos meus pais foi fundamental, mas sempre junto com muita cobrança. Decidi não voltar para a casa dos meus pais, seriamos eu e bebê cuidando um do outro. No centro de São Paulo quando você é mãe solteira e jovem automaticamente é taxada mais uma vez de prostituta. Ai a leoa atacou novamente, eu descobri e me vi no feminismo. O corpo é meu, a casa é minha, o filho é meu, as contas são pagas por mim, ou seja ninguém que não viva exatamente o que eu vivo tem o direito de julgar. Tomei essa lição pra vida, mudei minha atitude e abri os olhos, será que tudo isso aconteceu só comigo? E a resposta é não, não mesmo. Sorte tive eu de passar por tudo e manter a vida, mas infelizmente essa não é a realidade de todas. É absurda a forma como os outros tomam conta das nossas atitudes de forma ignorante, padronizada. O machismo mata milhares de mulheres das formas mais abrangentes, a sensação de posse sobre a mulher leva a índices assustadores de violência, mulheres vivem em cárceres privados, tem suas roupas censuradas, são violentadas verbalmente inúmeras vezes em um único dia, são julgadas o tempo todo, até a constituição nos diz o que fazer ou não com nosso próprio corpo. O que me difere dessas mulheres? Nada! Somos todas irmãs, passamos todas pelo mesmo tipo de violência de gênero e só temos umas as outras para nos defender.
Às mulheres machistas falta o senso de sororidade, falta talvez entender que aquilo a que ela é submetida contra sua vontade é sim uma violência, não é normal e tem saída.
Eu só serei uma mulher livre quando todas as minhas irmãs também forem livres!

Anúncios

Expectativas para 2015

2015/01/img_0702.png

Adoro listas, mas as expectativas para 2015 não caberiam em uma, são detalhadas, específicas demais. O ano já começou diferente, um réveillon na paulista inédito, vamos combinar que para uma paulistana convicta isso é raro. Estranhei trocar de ano sem ter os pés na areia, mas sinto firme os pés no chão.
Posso começar pela alegria do primeiro estágio, que surgiu em janeiro pra me mostrar que 2015 vem com muito trabalho e realizações. Trabalho desde de os 13 anos, fui aprendiz no escritório da minha mãe e até hoje faço freelas de produção de conteúdo para web. Completamente fora do que aprendi, decidi fazer faculdade de Sociologia e Política, gosto do lado mais humano das coisas. Agora o destino resolveu unir meus paralelos, fui convocada para um estágio no projeto Telecentros, da prefeitura de São Paulo. Trabalhar com tecnologia, educação, inclusão social/digital ao mesmo tempo vai ser um desafio cheio de alegrias e aprendizado. Além disso, profissionalmente falando, vem aí logo logo um projeto novo que estamos desenvolvendo lá em casa, esse sim vai unir tecnologia e ação social de uma forma inédita que trará muitos resultados.
Na faculdade 2015 também promete ser um ano bem intenso, o ultimo! É ano de TCC, onde eu pretendo entender a educação lúdica aplicada na primeira infância e seus resultados no futuro adulto em sociedade, ainda está confuso mas conforme o andamento vai ser mais fácil e necessário criar posts sobre esse assunto.
O blog é meu novo-antigo amor, já tive outros, faz um certo tempo que criei esse mas resolvi acreditar e me dedicar a ele. Pretendo fazer a princípio um post por semana, criar uma rotina, mas só quem é DDA sabe a dificuldade em estabelece-las. É um foco, quero ver ele funcionando, sinto que tenho muito para falar sobre tudo que amo, prometo posts interessantes, com embasamento e frutos de bastante estudo e dedicação.
Pessoalmente vem mais um turbilhão de missões para o ano, organizar meu casamento que acontecerá em 2016, cuidar da família, garantir que minha casa conte sendo um local de muitos encontros, comemorações e alegrias, estudar muito e ter finalmente meu diploma em mãos e sempre, sempre buscar ser uma mãe melhor!

Para meus leitores queridos eu desejo um ano de muito amor e realizações!